As dores mais comuns dos ciclistas

Diversas pesquisas apontam que a grande maioria dos ciclistas sentem dores ao pedalar. Essas dores na maior parte das vezes são decorrentes de um ajuste incorreto de suas bicicletas em função de seus corpos.

Veja a posição dos manetes de freio.
Para isso existe o Bike Fit, um serviço de ergonomia feito para o ciclista. Durante o bike fit, o corpo do ciclista é medido e são feitas diversas análises com o ciclista na bike e fora da bike, para determinar as carcterísticas do seu corpo, estilo de pedalada e uso que o ciclista fará da bicicleta.
Após todas essas análises, a posição do ciclista é ajustada em função de seu corpo.

AS DORES MAIS COMUNS DOS CICLISTAS

·         Dor no pescoço: As dores do pescoço estão relacionadas a uma posição do guidão muito agressiva (lê-se guidão muito baixo e/ou distância guidão-selim muito longa), ou a ponta do selim voltada para baixo. Com o guidão mal posicionado (e/ou o selim apontado para baixo) geramos uma descarga de peso grande nos braços e nos ombros, ou uma flexão exagerado do pescoço, o que acaba gerando dores na região do pescoço. Se você sente dores no pescoço considere alterar a posição do seu guidão, e procure um bike fit o mais rápido possível, já que o longo prazo você pode desenvolver uma lesão crônica nos ombros, pescoço ou coluna.

·         Dor Lombar: Estima-se que 80% dos ciclistas sinta algum tipo de desconforto lombar. É muito, não acha? A dor lombar geralmente está relacionada à falta de força dos musculos posturais (musculos do core – abdominais e paravertebrais) somada a um guidão baixo demais. Fique atento, se você não possuir uma boa flexibilidade, considere subir a altura do seu guidão. Além disso, que tal deixar de preguiça e levar a sério os exercícios de alongamento e de fortalecimento do core, hein? Uma boa referência para entender melhor o assunto é o artigo Ciclismo e Dor nas Costas.


·         Dores nos punhos: As dores nos punhos ou os casos de dormência na mão, normalmente estão relacionados à má distribuição de peso do ciclista sobre a bicicleta, o que pode impor muito peso sobre as mãos do ciclista. Outro problema muito comum é a falta de alinhamento das manetes de freio (e cambio) em relação às mãos do ciclista. O ideal, enquanto você estiver com as mãos no guidão, é que sua mão esteja alinhada ao antebraço. Muita flexão ou muita extensão dos punhos irão gerar dores.

·         Dor na bunda Desconfroto ao sentar: O desconforto ao sentar, é mais comum aos iniciantes, que ainda não estão acostumados a descarregar o peso sobre os ísquios, mas esse desconforto tende a diminuir com o passar do tempo, no entanto é importante considerar a escolha do selim ideal e o correto ajuste do selim, que deve ser ajustado de acordo com o corpo dos ciclista.  Selins altos demais, contribuem bastante para o desconforto ao sentar.

·         Dormência nos pés: a dormência nos pés é outro ponto muito comum de desconforto entre os ciclistas (e mountain bikers). Esse tipo de desconforto pode estar relacionado à sapatilha apertada demais (não exagere no aperto das tiras da sua sapatilha) e ao mal posicionamento do taco do pedal. Para isso procure um bike fitter! Outro ponto que contribui bastante para a dormência nos pés é o uso de sapatilhas com solas moles (sabe aquelas sapatilhas que parecem tênis?). Esse tipo de sapatilha é muito bom para caminhar, mas ao pedalar a sola mais mole não oferece o suporte necessário para o ciclista.
  

PEDREIRA DESATIVADA E SINGLE ZEU




30/08/2014 - Pra fechar o mês pedalando na terra!!

Combinamos entre alguns poucos amigos de Holambra e decidimos fazer um pedal "curto", nada além de 50 km. Durante a semana estava tudo certo de que iríamos eu e o Thomas, e na hora do pedal, para nossa surpresa, fomos com mais três amigos... Sandre, Fernando e um parceiro novo de pedal o Wagner Ferrari.

Saímos do posto Pioneiro no centro da cidade por volta das 07:30 e seguimos para o bairro do Palmeirinha, de lá seguimos para a pedreira desativada, onde alguns já tinham ouvido falar que existia mas nunca entrou nela pra conhecer.






Parada rápida e voltamos para o nosso caminho. Nesse momento estávamos seguindo para o Single de eucaliptos, conhecido também como "zeu". E na empolgação do pedal passei da entrada e tocamos o bonde por alguns quilômetros a frente. Saímos na estrada vicinal que liga Mogi Mirim a Artur Nogueira, pra ser exato, no ponto onde fica as Vendas Nova e Velha. Pedalamos um pouco no asfalto e adentramos numa estradinha de terra que nos levou novamente ao nosso caminho e fizemos o single. Esse também foi novidade para alguns e mesmo quem já conhece, curte bastante o trecho.












Voltamos e a volta fomos cair no trecho de quem vai pra Cosmópolis, de lá entramos da trilha da igrejinha que fica no bairrinho e chegamos no Fundão. De lá foi só descer e chegar de volta a cidade e tomar aquela verdinha pra celebrar a amizade e o privilégio de poder fazer o que gostamos.



Valeu e que venha o próximo!!


Distância: 57 km
Participantes: 05
Pneus furados: 00
Compra de terreno: 00